1031
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Relato de Caso

Uso do retalho chinês para cobertura da articulação de cotovelo pós-queimadura profunda

Use for covering Chinese flap elbow joint after burn deep

Ricardo Araújo de Oliveira1; Marzo Luiz Bersan2; Elton Silva Santos1; Carlos Eduardo Guimarães Leão3

RESUMO

INTRODUÇAO: O retalho chinês é um retalho fasciocutâneo do antebraço baseado na artéria radial e em seus ramos perfurantes, sendo a opçao para cobertura de áreas de exposiçao óssea e articular na regiao do cotovelo em pacientes com queimaduras profundas na Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) Prof. Ivo Pitanguy da Fundaçao Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG). O objetivo deste artigo é demonstrar as vantagens e desvantagens no uso do retalho chinês para cobertura osteoarticular do cotovelo.
RELATO DOS CASOS: Dois pacientes queimados internados na UTQ Prof. Ivo Pitanguy com exposiçao osteoarticular de cotovelo foram submetidos à rotaçao do retalho chinês e analisados quanto ao resultado cirúrgico. Os dois pacientes submetidos à rotaçao do retalho, no ano de 2011, obtiveram cobertura de boa qualidade cutânea, sem necroses, e com bom resultado funcional.
CONCLUSAO: O retalho chinês é um importante recurso terapêutico para tratamento de exposiçoes ósseas e articulares em pacientes queimados.

Palavras-chave: Retalhos cirúrgicos. Retalhos de tecido biológico. Queimaduras. Cotovelo.

ABSTRACT

INTRODUCTION: The Chinese flap is a fasciocutaneous flap of the forearm based in the radial artery and its perforating branches, being the option for covering bone or articular exposures in elbow region in patients with deep burns at Burn Unity Prof. Ivo Pitanguy of Fundaçao Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG). The objective of this article is to demonstrate the advantages and disadvantages of the Chinese flap use for bone or articular coverage in the elbow.
CASES REPORT: Two burned patients with bonearticular exposure in the elbow interned at UTQ Prof. Ivo Pitanguy were submitted to the Chinese flap rotation and the results were analysed. The two patients submitted to the flap rotation in 2011 obtained coverage of good skin quality, without necrosis, and with good functional result.
CONCLUSION: The Chinese flap is an important therapeutic resource in treatment of bones and articulars exposures in burned patients.

Keywords: Surgical flaps. Free tissue flap. Burns. Elbow.

A cobertura das estruturas profundas é de extrema importância para a preservaçao da viabilidade tecidual, prevençao das infecçoes e manutençao da funçao.

Nos casos de queimadura profunda, na qual há exposiçao óssea e articular na regiao do cotovelo, a sua cobertura na fase inicial e com tecido de boa qualidade, além de preservar sua funçao, permite que haja condiçoes locais para intervençao cirúrgica posterior, caso haja necessidade.

Os pacientes vítimas de queimaduras profundas que acometem os membros superiores apresentam extensas áreas de exposiçao, que necessitam de cobertura com o uso de retalhos que levem à área receptora extensa quantidade de tecido dermogorduroso.

Na Unidade de Tratamento de Queimados (UTQ) Prof. Ivo Pitanguy da Fundaçao Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG), a opçao é a utilizaçao do retalho fasciocutâneo do antebraço, conhecido como retalho chinês, que teve sua origem em estudos anatômicos por Fan et al.1, no Shenyanng Military Hospital, na China, em 1978.

Esse retalho baseia-se na artéria radial e nos ramos perfurantes fasciocutâneos. Seu território estende-se do terço inferior da regiao anterior do braço à linha de flexao do punho. Distalmente, sua largura estende-se do tendao do músculo extensor longo do polegar ao tendao do músculo extensor ulnar do carpo; proximalmente, estende-se do epicôndilo lateral ao medial do úmero2. Possui grande utilidade para coberturas tegumentares no membro superior.

O objetivo deste trabalho é demonstrar que o uso do retalho chinês na cobertura osteoarticular do cotovelo apresenta boa viabilidade, em decorrência de sua vascularizaçao; permite a rotaçao de extensa área cutânea, que proporciona a cobertura de grandes áreas expostas, por ser fasciocutâneo; nao causa déficit funcional e promove cobertura com tecido de boa qualidade.

Como desvantagem, podemos citar o defeito estético da área doadora coberta por enxertia cutânea de pele parcial.


RELATO DOS CASOS

Foram submetidos à rotaçao do retalho chinês dois pacientes no ano de 2011, na UTQ Prof. Ivo Pitanguy, inserida no Hospital Joao XXIII da rede FHEMIG. Esses pacientes foram vítimas de queimaduras de terceiro grau em membros superiores e, após debridamento das áreas de necrose, apresentaram exposiçao osteoarticular do cotovelo.

O primeiro paciente (J.S.A.) era do sexo masculino, com 43 anos de idade, sem comorbidades, vítima de queimadura por gasolina incandescente.

O segundo paciente (M.O.A.) era do sexo masculino, com 55 anos de idade, vítima de queimadura por chama direta durante crise epiléptica.

Ambos os pacientes foram submetidos ao protocolo de tratamento de grandes queimados da UTQ. Identificou-se a exposiçao osteoarticular do cotovelo, durante o debridamento dos tecidos necrosados.

Os pacientes foram submetidos, sob anestesia geral, à rotaçao do retalho antebraqueal anterógrado radial para cobertura da exposiçao osteoarticular do cotovelo e enxertia de pele parcial para cobertura da área doadora (Figuras 1 a 10).


Figura 1 - Marcaçao do retalho chinês (caso 1).


Figura 2 - Articulaçao de cotovelo exposto (caso 1).


Figura 3 - Transoperatório do retalho (caso 1).


Figura 4 - Area doadora do retalho (caso 1).


Figura 5 - Curativo no 2°dia de pós-operatório (caso 1).


Figura 6 - Resultado do enxerto da área doadora do retalho (caso 1).


Figura 7 - Sétimo dia de pós-operatório (caso 1).


Figura 8 - Curativo no 2° dia de pós-operatório (caso 2).


Figura 9 - Curativo no 5° dia de pós-operatório (caso 2).


Figura 10 - Resultado do enxerto da área doadora do retalho (caso 2).



Nos dois casos, houve cobertura de boa qualidade cutânea, sem necrose total ou parcial, e com bom resultado funcional. Houve boa integraçao dos enxertos dermoepidérmicos na área doadora do retalho.

Os pacientes foram encaminhados para controle ambulatorial no décimo dia de pós-operatório.


DISCUSSAO

Fan et al.1, após estudos anatômicos, apresentaram um novo tipo de retalho cutâneo do antebraço, centralizado sobre a artéria radial, denominando-o retalho radial do antebraço e que se difundiu com o nome de "retalho chinês".

O fluxo sanguíneo no retalho pode ser anterógrado ou retrógrado. Anterógrado é o fluxo direto das artérias radial ou ulnar e retrógrado quando sao utilizadas as anastomoses dos arcos palmares superficial e profundo, fazendo a circulaçao realizar-se no sentido distal para proximal (da mao para o retalho), consequentemente, nao pode haver qualquer comprometimento nessas anastomoses dos arcos palmares, seja de origem traumática ou congênita. O fluxo retrógrado é o mais utilizado, porque é o empregado para reparaçoes nas maos (distais) e o anterógrado ou direto é indicado para reparaçoes ao nível de cotovelo ou braço (proximais) e também nos casos em que é usado como retalho livre3.

Durante o planejamento do retalho, é imprescindível que se realizem as manobras para a investigaçao da viabilidade da artéria ulnar. Quando o fluxo sanguíneo da artéria ulnar está insuficiente ou ausente, a confecçao do retalho chinês poderá levar ao sofrimento tecidual ou mesmo à necrose da mao.

O inconveniente desse retalho é a cicatriz de enxertia de pele usada para cobrir a área doadora.


CONCLUSAO

O retalho antebraquial, ou retalho chinês, é um importante recurso terapêutico no arsenal do cirurgiao plástico para o tratamento de exposiçoes ósseas e articulares em pacientes queimados.


REFERENCIAS

1. Fan YG, Qui CB, Zi GY. Forearm free skin flap transplantation. Natl Med J China. 1981;61:139-45.

2. Silva Filho AF, Plentz EGA, Guimaraes GR, Saraiva PS, Siqueira IMG, Alves JCRR. Retalho livre radial do antebraço com preservaçao de veia cefálica em reconstruçao cérvico-craniana: relato de caso. Rev Bras Cir Plást. 1998;13(1):9-16.

3. Scozzafave GAE, Abel JL, Bloch RJ, Andreoni WR, Pastro DA, Miranda FBS, et al. Aplicaçoes clínico-cirúrgicas do retalho antebraquial: análise de 89 casos. Rev Bras Cir Plást. 2010;25(2):361-6.










1. Médico residente do Serviço de Cirurgia Plástica e Queimados do Hospital Joao XXIII pertencente à Fundaçao Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG), Belo Horizonte, MG, Brasil.
2. Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica.
3. Membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica, chefe do Serviço de Cirurgia Plástica e Queimados do Hospital Joao XXIII pertencente à Fundaçao Hospitalar do Estado de Minas Gerais (FHEMIG), Belo Horizonte, MG, Brasil.

Correspondência:
Ricardo Araújo de Oliveira
Avenida do Contorno,2250/408
Belo Horizonte, MG, Brasil - CEP: 30110-012
E-mail: ricardo0707@hotmail.com

Artigo recebido: 20/1/2012
Artigo aceito: 8/3/2012

Trabalho realizado na Unidade de Tratamento de Queimados do Serviço de Cirurgia Plástica e Queimados do Hospital Joao XXIII pertencente à Fundaçao Hospitalar do Estado de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

© 2024 Todos os Direitos Reservados