2151
Visualizações
Acesso aberto Revisado por pares
Artigo Original

Elaboração de vídeo educativo sobre uso da malha compressiva após queimadura

Educational video on use of compression garmet after burn

Edna Yukimi Itakussu1; Dirce Shizuko Fujisawa2; Pricila Perini Rigotti Franco3; Adriane Rocha Schultz3; Elza Hiromi Tokushima Anami4; Reinaldo Minoru Kuwahara5; Celita Salmaso Trelha6

RESUMO

INTRODUÇAO: As vestes compressivas sao parte do tratamento ambulatorial das queimaduras profundas. Muitas vezes, os pacientes acabam por nao utilizar a malha compressiva devido, principalmente, ao incômodo, à vergonha e ao desconhecimento sobre a importância do uso.
OBJETIVO: Descrever o processo de construçao de um vídeo educativo sobre a importância do uso da malha compressiva para indivíduos que sofreram queimaduras.
MÉTODOS: A construçao do material educativo ocorreu nas seguintes etapas: revisao da literatura, análise dos dados coletados, elaboraçao e avaliaçao de roteiro e filmagem de três pacientes e dois pais e/ou responsáveis, no Ambulatório do Centro de Tratamento de Queimados do Hospital Universitário da Universidade Estadual de Londrina (CTQ/HU/UEL) e ediçao do vídeo.
RESULTADOS: Obteve-se um vídeo educativo que aborda a cicatrizaçao hipertrófica, a colocaçao da malha compressiva, esclarecimentos de dúvidas e dicas de cuidados.
CONCLUSAO: O desenvolvimento de tecnologias educativas direcionadas ao tratamento do paciente vítima de queimadura constitui grande desafio, havendo a necessidade urgente em desenvolver novos materiais.

Palavras-chave: Queimaduras. Fisioterapia. Cicatriz Hipertrófica. Reabilitação. Educação em Saúde.

ABSTRACT

INTRODUCTION: The compressive garments are part of outpatient treatment of deep burns. Often patients end up not using the compression garment mainly due to discomfort, shame and ignorance of the importance of using.
OBJECTIVE: To describe the process of building an educational video on the importance of using the compression garment for individuals who have suffered burns.
METHODS: The construction of educational material occurred in the following steps: literature review, data analysis, drafting and review script and shooting of three patients and two parents and/or guardians in the Outpatient Burn Treatment Center University Hospital of the State University of Londrina (CTQ/HU/UEL) and editing the video.
RESULTS: An educational video that addresses the hypertrophic scarring, the placement of the compression garment, clarification of doubts and care tips was obtained.
CONCLUSION: The development of educational technologies targeted to the treatment of burn victim patient is a great challenge and there is an urgent need to develop new materials.

Keywords: Burns. Physical Therapy Specialty. Cicatrix Hypertrophic, Rehabilitation. Health Education.

INTRODUÇAO

As queimaduras sao consideradas um grave problema de saúde pública mundial1. É uma lesao cuja evoluçao cicatricial se faz de forma rápida, anárquica e com grande potencial de sequelas. Assim, o principal objetivo é tratá-las antes de sua instalaçao, fixaçao e transformaçao em retraçoes2.

A incidência do surgimento de cicatrizes hipertróficas após uma queimadura grave varia de 32% a 67%3, dependendo da idade, da etnia, da gravidade e localizaçao da queimadura4,5.

A malha compressiva faz parte da assistência ambulatorial e constitui tratamento padrao para prevençao e controle de cicatrizes hipertróficas das queimaduras profundas. Considerada como opçao de primeira linha em muitos centros de queimados6,7, tem como finalidade exercer pressao contínua sobre áreas cicatrizadas e enxertadas e muitos estudos comprovam que a terapia com a malha compressiva reduz significativamente a formaçao de cicatrizaçao anormal após queimaduras8-10. É utilizada rotineiramente por até dois anos4 e o paciente necessita de reavaliaçao regular para os reajustes no tamanho e forma da roupa, pois a pessoa cresce e/ou ganha peso11. Entretanto, observa-se baixa adesao à terapia compressiva8,12,13. Johnson et al.12, em seu estudo, relatam uma taxa de apenas 41% de adesao ao tratamento com a malha compressiva na populaçao adulta. Os fatores estao relacionados principalmente ao estresse emocional, constrangimento, vergonha, dor, prurido, aumento da transpiraçao, bolhas, ulceraçoes12,14 e falta de informaçao.

A utilizaçao de imagens de quaisquer formas consiste em importante ferramenta no processo educativo. Nos vídeos, ressaltam-se a qualidade das imagens, que se apresentam em movimento, fazendo com que a mensagem a ser compartilhada se aproxime ainda mais da realidade. De acordo com Borges15, a utilizaçao de imagens favorece o processo de identificaçao cultural do sujeito às questoes problematizadoras em situaçoes em que o vídeo é utilizado com intuito educativo, favorecendo a aproximaçao entre espectador e realidade.

Os vídeos informacionais/educativos sao produzidos de maneira a intervir socialmente, ao integrar açoes de prevençao de doenças e promoçao da saúde, por meio da mudança de comportamento dos indivíduos com base nas informaçoes transferidas16.

Em alguns casos, as informaçoes transferidas devem ser concretas, além de simbolizadas. Informaçoes em folders e cartilhas, muitas vezes, podem confundir o paciente e estar longe de ser aplicadas de forma realista. Outro fator importante está relacionado aos aspectos socioculturais. Assim, a informaçao deve ser absorvida de forma plena a todos os indivíduos, sejam estes alfabetizados ou nao. Nao há na literatura descriçao sobre este tipo de material educativo, para pacientes queimados que fazem uso da malha compressiva.

Diante do exposto, o presente estudo tem por objetivo descrever o processo de construçao de um vídeo educativo sobre a importância do uso da malha compressiva para indivíduos que sofreram queimaduras.


MÉTODO

O presente estudo foi realizado por pós-graduandos e docentes na disciplina de Educaçao e Saúde do Programa Associado de Mestrado em Ciências da Reabilitaçao da UEL e UNOPAR. Realizou-se um estudo descritivo e o vídeo foi produzido no CTQ/HU/UEL, por se tratar de uma Ala de referência no tratamento do paciente queimado. O CTQ/HU/UEL foi fundado em agosto de 2007; conta com 16 leitos, sendo dez de enfermaria e seis de UTI, que atendem pessoas oriundas de todas as partes do Estado, após regulaçao de vagas pela Central de Leitos da Regional. A unidade conta com uma equipe multiprofissional especializada, priorizando sempre o atendimento mais humanizado para o paciente e seus familiares.

A construçao do vídeo ocorreu nas seguintes etapas: revisao da literatura e análise dos dados coletados, elaboraçao do roteiro, avaliaçao do roteiro, filmagem de pacientes e/ou responsáveis e ediçao do vídeo educativo.

O roteiro foi desenvolvido visando à comunicaçao por mídia nao impressa, com frases curtas e prioritariamente na voz ativa. O roteiro deve promover a máxima identificaçao do público-alvo e compreensao do conteúdo a ser transmitido. Segundo Fiorentini & Carneiro17, o roteiro é um texto diferente dos demais, porque deve ser desenvolvido com base em uma linguagem que determine nao só a fala, mas também as imagens, os gestos e expressoes corporais.

O conteúdo do vídeo foi elaborado com base em informaçoes baseadas na literatura e abordou essencialmente aspectos relacionados à cicatrizaçao hipertrófica, cuidados após alta hospitalar, colocaçao da malha compressiva, esclarecimentos de dúvidas e orientaçao sobre os cuidados de higienizaçao da mesma.

O roteiro foi avaliado por profissionais da equipe de assistência do CTQ/HU/UEL (médicos, fisioterapeutas, enfermeiros, técnicos de enfermagem, auxiliares administrativos), que foram escolhidos por atingirem aos seguintes critérios: conhecimento e prática na assistência a pacientes vítimas de queimaduras, além dos alunos e docentes do programa do mestrado.

Na sequência, foi realizada a filmagem com a participaçao voluntária de três pacientes e dois cuidadores familiares após assinarem o Termo de Cessao de Depoimento e Imagem, além do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido. O primeiro paciente apresentava cicatrizaçao hipertrófica instalada; o segundo encontrava-se na fase de mediçao para a confecçao da malha e o terceiro paciente utilizou a malha compressiva corretamente, pelo período de dois anos, conforme orientaçao da equipe multiprofissional do CTQ/HU/UEL; e dois pais: um demonstra como colocar a malha e o outro conta a experiência do uso da malha compressiva com seu filho. Há também a participaçao do chefe da equipe de cirurgia plástica, que esclarece as dúvidas mais frequentes dos pacientes e cuidadores (pais ou responsáveis).

Foram utilizadas câmera de vídeo profissional digital, sala com boa condiçao de iluminaçao e acústica e malha compressiva adequada para cada paciente. A filmagem foi realizada no Ambulatório do CTQ/HU/UEL.

Posteriormente, contou-se com a participaçao de um especialista em mídias, editor de vídeos e imagem do setor de Documentaçao Científica do Hospital Universitário de Londrina, que realizou a ediçao do vídeo.

Conforme os preceitos ético-legais, a pesquisa atendeu às normas da resoluçao 466/12, além da aprovaçao do Comitê de Ética em Pesquisa da UEL, Parecer nº 259/2013 CAAE: 22626313.0.0000.5231.


RESULTADOS

O vídeo foi finalizado com 10 minutos e está dividido em cinco partes: cicatrizaçao hipertrófica, cuidados após alta hospitalar, colocaçao da malha compressiva, esclarecimentos de dúvidas e orientaçao sobre os cuidados de higienizaçao da mesma (Quadro 1).




DISCUSSAO

Os vídeos ajudam de forma significativa na orientaçao aos pacientes14. Dessa forma, torna-se cada vez mais necessário que os serviços de saúde se apropriem dos recursos tecnológicos, dinamizando o processo de aprendizagem. Como a saúde, a educaçao e a comunicaçao sao indissociáveis, os profissionais de saúde podem utilizar-se desse aparato tecnológico.

Outro ponto apontado como causa da baixa aderência está relacionado com o fato de que a aparência da cicatriz muda vagarosamente, e esse processo longo pode levar à frustraçao, especialmente nos pacientes que nao sabem o que esperar8,18.

De acordo com estudos de Ripper et al.8, mesmo que os pacientes recebam as informaçoes de profissionais como fisioterapeutas ou terapeutas ocupacionais ou ambos, eles sentem a necessidade de explicaçoes mais detalhadas. Os autores complementam que é fundamental a explicaçao detalhada da fisiologia da pele e da cicatrizaçao, haja vista que isso é novo ao paciente8. Observou-se que as orientaçoes fornecidas verbalmente nao produziam o resultado necessário, como encontrado na literatura, pois havia uma baixa adesao ao uso correto e contínuo da malha, que resultava em uma evoluçao negativa das cicatrizes, com sequelas funcionais e estéticas importantes, principalmente na populaçao pediátrica. A informaçao veiculada por meio de um vídeo, de imagens, desperta a atençao e a memorizaçao, e um melhor esclarecimento está sendo dado aos pacientes antes da alta hospitalar.

Os vídeos, cada vez mais, sao utilizados como suportes informacionais nas açoes de intervençao na área da saúde, com grande poder pedagógico por meio do áudio e da imagem, além de apresentarem o conteúdo com agilidade e interatividade.


REFERENCIAS

1. Organizaçao Mundial da Saúde. Violence and Injury Prevention and Disability [Acesso 10 Set 2012]. Disponível em: http://www.who.int/violence_injury_prevention/other_injury/burns/en/

2. Afonso CL, Carneiro JA, Borges LB. Tratamento fisioterápico das cicatrizes. In: Lima Jr. EM, Serra MCVF, eds. Tratado de queimaduras. Sao Paulo: Atheneu; 2006. p.347-51.

3. Esselman PC, Thombs BD, Magyar-Russell G, Fauerbach JA. Burn rehabilitation: state of the science. Am J Phys Med Rehabil. 2006;85(4):383-413.

4. Bombaro KM, Engrav LH, Carrougher GJ, Wiechman SA, Faucher L, Costa BA, et al. What is the prevalence of hypertrophic scarring following burns? Burns. 2003;29(4):299-302.

5. Li-Tsang CW, Lau JC, Chan CC. Prevalence of hypertrophic scar formation and its characteristics among the Chinese population. Burns. 2005;31(5):610-6.

6. Borges FS. Modalidades terapêuticas nas disfunçoes estéticas. 2a ed. Sao Paulo: Phorte; 2010.

7. Ferreira CM, D'Assumpçao EA. Cicatrizes hipertróficas e queloides. Rev Soc Bras Cir Plast. 2006;21(1):40-4.

8. Ripper S, Renneberg B, Landmann C, Wiegel G, Germann G. Adherence to pressure garment therapy in adult burn patients. Burns. 2009;35(5):657-64.

9. Eberlein A, Perbix W, Spilker G. Kompressionstherapie bei Brandverletzten [Compression therapy for burn injured patients]. Orthop Tech. 2004;55(4):284-92.

10. Chang P, Laubenthal KN, Lewis RW 2nd, Rosenquist MD, Lindley-Smith P, Kealey GP. Prospective, randomized study of the efficacy of pressure garment therapy in patients with burns. J Burn Care Rehabil. 1995;16(5):473-5.

11. Porter SB. Uma Introduçao às Fraturas. In: Porter SB. Fisioterapia de Tidy. 13a ed. Rio de Janeiro: Elsevier; 2005. p.71-98.

12. Johnson J, Greenspan B, Gorga D, Nagler W, Goodwin C. Compliance with pressure garment use in burn rehabilitation. J Burn Care Rehabil. 1994;15(2):180-8.

13. Stewart R, Bhagwanjee AM, Mbakaza Y, Binase T. Pressure garment adherence in adult patients with burn injuries: an analysis of patient and clinician perceptions. Am J Occup Ther. 2000;54(6):598-606.

14. Macintyre L, Baird M. Pressure garments for use in the treatment of hypertrophic scars-a review of the problems associated with their use. Burns. 2006;32(1):10-5.

15. Borges SN. Metamorfoses do corpo: uma pedagogia freudiana. Rio de Janeiro: Fiocruz; 1996.

16. Moraes AF. A diversidade cultural presente nos vídeos em saúde. Interface (Botucatu). 2008;12(27):811-22.

17. Fiorentini LMR, Carneiro VLQ, orgs. TV na escola e os desafios de hoje: curso de extensao para professores do ensino fundamental e médio da rede pública. Unirede, SEED/MEC. 2a ed. Brasília: Editora Universidade de Brasília; 2002.

18. Sawada Y. A method of recording and objective assessment of hypertrophic burn scars. Burns. 1994;20(1):76-8.










1. Fisioterapeuta. Mestre em Ciências da Reabilitaçao (UEL-UNOPAR). Centro de Tratamento de Queimados de Londrina, Londrina, PR, Brasil
2. Fisioterapeuta. Doutora em Educaçao. Docente do Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual de Londrina. Docente do programa de Pós-Graduaçao em Ciências da Reabilitaçao (UEL-UNOPAR), Londrina, PR, Brasil
3. Fonoaudióloga. Mestre em Ciências da Reabilitaçao (UEL-UNOPAR), Londrina, PR, Brasil
4. Enfermeira. Centro de Tratamento de Queimados de Londrina, Londrina, PR, Brasil
5. Médico. Chefe do Centro de Tratamento de Queimados de Londrina, Londrina, PR, Brasil
6. Fisioterapeuta. Doutora em Ciências da Saúde. Docente do Curso de Fisioterapia da Universidade Estadual de Londrina. Docente do programa de Pós-Graduaçao em Ciências da Reabilitaçao (UEL-UNOPAR), Londrina, PR, Brasil

Correspondência:
Edna Yukimi Itakussu
Rua Guilherme da Mota Correa 3743, Shangrilá-A
Londrina, PR, Brasil - CEP: 86070-460
E-mail: yukimi@sercomtel.com.br

Artigo recebido: 16/12/2014
Artigo aceito: 7/2/2015
Apresentaçao em Congresso: Congresso Latino-Americano de Quemaduras da FELAQ em 2013, Rio de Janeiro/RJ. Eleito melhor trabalho na categoria apresentaçao pôster.
Conflitos de interesses e fontes de financiamentos: nao há.

Trabalho realizado no Centro de Tratamento de Queimados de Londrina /PR (Hospital Universitário de Londrina), Londrina, PR, Brasil.

© 2022 Todos os Direitos Reservados